Entrevista do comeback BE do BTS - SUGA



SUGA: “Estou grato por ainda haver áreas que não visitei no mundo da música”

BTS, entrevista de comeback do BE 04.01.2021



SUGA tem essa maneira de falar apaixonadamente com uma expressão impassível no rosto. Cheio de paixão pela sua vida e música. Como está seu ombro? SUGA: Bom. Acho que vai ficar ainda melhor quando eu tirar esta tipoia. Aparentemente, leva vários meses para uma recuperação completa, mas estou tentando melhorar o mais rápido possível.

Qual é a sensação de ter resolvido um problema que o aflige há tanto tempo? SUGA: Em primeiro lugar, estou feliz. A dor é uma coisa, mas quando meus ombros pioraram, não consegui nem levantar os braços. Mas quando soube que isso poderia ocorrer novamente ao fazer a cirurgia muito jovem, esperei o momento certo e decidi fazer no início do próximo ano, independentemente da situação do COVID-19. Eu tinha planejado fazer a cirurgia após as apresentações de final de ano, mas fiz este ano (2020) porque meus médicos me aconselharam a começar a me preparar cedo para as promoções e atividades do próximo ano.

Como é assistir os outros membros fazendo as promoções? SUGA: Eu não posso dizer que é ótimo. Eu podia ver o vazio porque estamos juntos como um grupo de sete há muito tempo. Não necessariamente porque eu não estou lá, mas porque algo que deveria estar lá está faltando?

Foi isso que fez você se juntar à promoção o máximo possível? Você filmou muitos vídeos com antecedência e até apareceu no “MAMA 2020” da Mnet através da VR. SUGA: SUGA Falso (risos). Há um estúdio 3D onde filmamos. Fotografei, digitalizei e atuei lá, mas não pude ver o resultado real no estúdio. Achei que uma certa sensação de deslocamento fosse inevitável, e foi exatamente o que aconteceu. (Risos) Eu agi normalmente porque teria ido ao ar de qualquer maneira mesmo se eu não tivesse feito a cirurgia, mas parece muito porque vai ao ar depois da cirurgia.

Você deve se sentir confinado por não poder subir no palco.

SUGA: Acontece que só se passou um mês desde que fiz a cirurgia, mas minha ausência no palco é muito aparente. Mas meus médicos continuam me dizendo que eu não devo ficar impaciente e, na verdade, muitos atletas passam por uma nova cirurgia quando voltam a campo sem a reabilitação adequada. Então, estou tentando me importar menos. Durante as primeiras duas semanas após a cirurgia, me senti tão frustrado que tentei coisas novas. Até assisti filmes que não havia assistido antes.



Que filmes você assistiu? SUGA: Assisti a “Samjin Company English Class” já que estava passando na IPTV, e agora tenho “Tenet” na minha lista. “Parasite'' foi o último filme que vi no cinema. À medida que as medidas de distanciamento social tornaram-se mais rígidas, não tenho saído, a não ser ao hospital. Eu até como em casa. Eu também estou assistindo muita TV por esses dias. Assistir a programas de música como “Sing Again”, “Folk Us” e “Show Me The Money 9” me fez pensar no que devo fazer nos próximos dias.

Poderia falar mais a respeito disto? SUGA: Muitos candidatos em 'Sing Again' são muito talentosos, mas não tiveram oportunidades, e em 'Folk Us', percebi que muitos levaram seus próprios violões ao palco. Comecei a tocar violão recentemente e estou com vontade de ampliar meu escopo musical. E como meu interesse pela indústria da música nos EUA cresceu, estou me preparando, estudando inglês e tudo.

O que despertou seu interesse? SUGA: De certa forma, é o mercado mais desenvolvido comercialmente. Você pode perder a atenção da indústria em um piscar de olhos se não for plausível. Portanto, neste sistema, você tentaria de tudo e seria uma forma eficiente. Há muito tempo quero fazer música e, para esse fim, sempre quero aprender mais sobre a indústria musical global porque quero fazer música que seja amada não apenas na Coréia, mas também nos EUA, Japão e Europa.

Falando nisso, parece que o BE foi influenciado pela música do passado, e não pelas tendências atuais. SUGA: Gosto especialmente de música improvisada. Eu amo as músicas que foram feitas em uma tomada em vez de serem gravadas várias vezes. Nesta era de gêneros cruzados, o desejo de fazer melhor na música está crescendo dentro de mim.

À medida que os gêneros se tornam mais misturados, a melodia que você usa deve ser mais importante. Começar a tocar violão afeta sua composição de alguma forma? SUGA: Sempre gostei de usar sons de violão. E sempre gostei dos Eagles. Se você toca violão, é muito mais fácil escrever músicas porque você pode carregá-lo para onde quer que vá, dedilhando as cordas para criar linhas melódicas. Os teclados são difíceis de transportar. (Risos) Normalmente trabalho no meu laptop, mas pensei que definitivamente precisava de um instrumento. Isso acelera meu trabalho e melhora minha compreensão dos acordes.

Isso me faz pensar que você poderia fazer melodias intuitivamente.

SUGA: É mais fácil escrever uma música porque você pode fazer uma progressão intuitivamente e tentar muitas coisas diferentes. Durante meu trabalho em 'Eight', IU gravou e me enviou uma música de seu telefone. Na época, eu não sabia tocar violão, então tentamos ter certeza de que estávamos trabalhando na mesma página ao acompanhar o progresso um do outro. Isso me fez sentir a necessidade de aprender um instrumento.



Isso foi antes de você começar a tocar violão, mas eu achei 'Telepathy' no BE muito interessante. As diferentes progressões melódicas entre os ganchos de cada membro me fizeram pensar se você escreveu a melodia intuitivamente para cada parte. SUGA: Tentei uma melodia pela primeira vez este ano (2020) e, à medida que comecei a conhecer a diversão da música, isso abriu muitas portas para mim. Então foi fácil trabalhar nisso. Eu apenas toquei uma batida e escrevi do início ao fim. Pronto. Eu escrevi em apenas 30 minutos. A música quase se escreveu sozinha. As tendências do pop e do hip-hop nos dias de hoje cruzam as fronteiras entre vocais e rap. Eu gosto dessa tendência.

Quando ouço seu canto, parece que você está acertando as batidas, em vez de cantar junto com as notas. Então pensei que talvez você estivesse cantando como se estivesse fazendo um rap. SUGA: Quando você está fazendo um rap, você apenas pensa no ritmo, então é como simplesmente colocar uma melodia em um ritmo. Para definir o que vem primeiro, acho que a melodia aumenta enquanto escrevo o rap.

Em "Life Goes On", a letra "Felizmente, entre você e eu, nada mudou" está em algum lugar no meio. Não é rap, mas seria mundano dizer que é uma mera melodia. SUGA: Obviamente, há músicas em que o rap precisa ser destacado. Por exemplo, em "Dis-ease" ou "Ugh!", você tem que ser bom no rap. Mas em músicas que deveriam ser fáceis de ouvir, raps impressionantes nem sempre são o caminho a percorrer. Às vezes, você deseja transições suaves sem obstáculos.

Nesse sentido, o fluxo de rap de 'Blue & Grey' foi impressionante. Em vez de um efeito dramático que enfatiza cada parte, você estendeu o rap tanto quanto a batida lenta.

SUGA: Para ser sincero, essa batida é difícil de tocar. O início da música tem apenas uma linha de violão, o que a torna ainda mais difícil. Eu participei quando escrevemos as letras de 'Blue & Grey' e sempre quis trabalhar em uma música como essa. Foi porque o verso 1 fala sobre o tema da música.



Parece que você conquistou quase tudo o que queria no BE. SUGA: Acho que demorou menos de uma semana para fazer minha parte no álbum. Depois de escrever uma ou duas melodias para "Life Goes On", eu escrevi uma versão completa com rap, e gostei de ter trabalhado em um arranjo e letras separados. Em vez de ponderar sobre como isso pode funcionar, escolho simplesmente tocar a música e escrever.

Muitos criadores não têm certeza, mesmo depois de terem produzido um bom trabalho. Como você obtém a convicção de liberar seu trabalho? SUGA: Muitos músicos não têm certeza se devem lançar sua música ou não. Foi a mesma coisa para mim, mas a questão é, você nunca vai liberar nada se for minucioso em tudo. Por exemplo, se lançarmos 10 músicas, temos a chance de revelá-las em shows ou eventos de fãs. E às vezes, enquanto ouvimos a música, pensamos: "Por que essa parte que me incomodava não me incomoda mais?" Algumas coisas podem parecer estranhas em algum momento, mas com o tempo, não parecem mais estranhas. Até eu me esqueço disso. Portanto, é mais eficiente fazer o ajuste por alto, olhando para o quadro geral, em vez de pensar muito nos detalhes. Além disso, durante as promoções, não tenho tempo para escolher as faixas que os outros enviaram por 10 horas. Seria um sucesso para todos nós se cada um de nós tocasse e escrevesse uma melodia em seu próprio tempo e colaborasse com os outros nos detalhes. Portanto, a forma de escrever músicas evoluiu em muitos aspectos.

O que motivou essa evolução? SUGA: Acho que evoluiu naturalmente. Mudei de personalidade este ano (2020), bem como em termos de interpretação e atitude perante a vida a ponto de quase pensar que estava ensaiando. Como seria se não houvesse um palco para ir ou alguém cuidando de mim? Esse pensamento me fez perceber o valor dessas coisas.

Em "Dis-ease", você canta "Não sei se é o mundo que está doente". Foi esse estilo de vida que mudou sua opinião sobre o trabalho? SUGA: Sim. Quando eu era jovem, tinha abraçado a crença de que 'deve ser minha culpa', mas à medida que fui crescendo, percebi que isso nem sempre é verdade. A maior parte do que eu pensava ser minha culpa, na verdade não era minha culpa. Por outro lado, há coisas que fiz bem e ocasiões em que tive sorte.

"I NEED U" saiu durante um tempo em que você ainda pensava: “Deve ser eu”. Depois que os membros subiram no palco com "I NEED U" no Song Festival da KBS, você escreveu no Weverse: “É igual a cinco anos atrás”. Como você se compara com aquela época? (Esta entrevista foi realizada em 19 de dezembro de 2020.)

SUGA: Amadurecemos bastante. E nossas apresentações no palco se tornaram mais naturais. Eu ainda gosto de "I NEED U". Só de ouvir a batida me deixa sentimental e, acima de tudo, a música se saiu bem. Enquanto eu estava assistindo algumas coisas quando me deparei com vídeos antigos. Assisti-los me fez pensar que não mudamos muito.



Em que aspecto você não mudou tanto? SUGA: Antes que as medidas de distanciamento social se tornassem mais rígidas, conversei com o fotógrafo do BE, que conheci há quatro anos. O fotógrafo ficou surpreso por não termos mudado muito depois de todo o sucesso, embora ele achasse que seríamos muito diferentes.

Estou pessoalmente impressionado. Eu tive a chance de conhecer os membros antes de vocês debutarem, mas pela sua maneira de falar com os membros ou outras pessoas, parece que você não mudou. SUGA: Acho que é porque não damos muita importância ao sucesso. Por exemplo, é incrível ser classificado em primeiro lugar nos Billboards, mas também há essa sensação de, "Ok, e?"

Até o Grammy? (Risos) SUGA: Quando fomos nomeados para o Grammy Awards, pensamos: "Isso é real?" (Risos) Claro que ficamos maravilhados, mas isso não nos fez pensar, "Somos cantores nomeados para o Grammy." Se você for indicado, você será indicado e, se receber o prêmio, receberá o prêmio. Você não fica abalado com isso. Sei que é um grande prêmio e ficaria muito grato se o recebêssemos, mas sabemos que nada é possível sem o tremendo apoio de nossos fãs. O que é mais importante é que os fãs fiquem mais lisonjeados do que nós quando recebemos um grande prêmio. Então, todos estão comemorando, mas é como, "Vamos fazer o que temos que fazer." Temos nos treinado para continuar encontrando nossos lugares, para que ninguém fique animado demais.

Em "Fly To My Room", há letras que dizem: "Esta sala é muito pequena para conter meu sonho" e "Às vezes esta sala se torna uma lata de lixo emocional, mas me envolve." Tive a sensação de que a sala tinha sido tal lugar e que você estava aceitando que havia mudado. Então a essência deve ter permanecido a mesma. SUGA: Não foi fácil aceitar que eventualmente mudamos. Mas acho que foi bom termos mudado. O que fizemos naquela época só foi possível naquela época, e pudemos mudar por causa das coisas que havíamos realizado.

Então, com que coisas novas você está sonhando?

SUGA: Estou ansioso para continuar fazendo música. Como todas as apresentações foram canceladas devido ao COVID-19, eu tive a chance de conversar com muitos músicos na Coréia. Conversei com cantores lendários e também com pessoas que são meus contemporâneos. Conversar com eles mais uma vez me fez perceber que amo muito música. Porque a música é minha profissão, não consigo me imaginar deixando de fazer isso. Sou grato por ainda haver áreas não visitadas no mundo da música.



Com que tipo de música você acha que vai se envolver no futuro? SUGA: Fiquei muito motivado quando vi o show de Na Hoon-a no último Chuseok. Eu me perguntei quantos músicos seriam realmente capazes de tocar e escrever música por tanto tempo como ele. Naquele momento, ocorreu que "eu quero ser como ele". Ele tem paixão e desejo e, acima de tudo, é um superstar. Há alguns anos, levei meus pais a um show do Na Hoon-a e, quando eles assistiram à última apresentação do Chuseok, disseram que era menos impressionante vê-lo se apresentar pela TV. (Risos)

Isso deve explicar seu interesse em um espectro mais amplo de música, desde instrumentos até composição e gêneros musicais. Porque você quer fazer isso por muito tempo. SUGA: Meu objetivo é continuar fazendo música de qualquer maneira. Nesse sentido, tenho um grande respeito por Cho Yong-pil. Ele pega o melhor som que existe e o reinterpreta em seu próprio. Acho que é algo que quero imitar e continuar mudando e evoluindo para poder continuar fazendo música nas próximas décadas.

A letra "Felizmente, entre você e eu, nada mudou" deve soar mais significativa para os fãs porque eles ouvirão sua música por um longo tempo.

SUGA: Um mês e meio nos tempos atuais deve parecer uma vida inteira para os fãs quando estamos distantes. Eu me sinto da mesma forma. Mas eu acho que isso é prova de que trabalhamos duro nos últimos sete anos e que os fãs têm nos ajudado com paixão. Estou me esforçando para chegar até eles o mais rápido que posso e estou ansioso para subir no palco. Estou passando por isso porque quero estar melhor no palco e em melhores condições, então não fiquem tristes e, por favor, aguentem firme um pouco mais.



Tradução: Dani

1,940 visualizações